Algumas pessoas se surpreendem como certas oportunidades aparecem “do nada”.

Eu acredito em sorte, mas também percebo a relação que existe entre um bom resultado e tomar atitudes, ter consistência nas ações e foco no objetivo.

Ontem aconteceram dois exemplos interessantes que ilustram isso.

Uma amiga me contou uma excelente notícia: ela conseguiu ser aprovada para trabalhar num projeto que está muito alinhado com seus objetivos. O mais interessante foi que ela batalhou por esta oportunidade há quase um ano atrás. De lá pra cá considerou outras ofertas de trabalho, trocou de emprego, prestou concurso. Ela sabia o que queria, se apresentou como forte candidata e durante este tempo manteve abertos os canais de comunicação com o responsável, além de buscar novas experiências relacionadas. Provavelmente a aprovação não foi no timing que ela esperava quando prospectou esta oportunidade, mas segunda-feira ela foi chamada.

A outra situação aconteceu durante a conclusão de um processo de coaching. A coachee percebeu que no início do processo apenas pensava e não fazia nada. À medida que começou a dar os primeiros passos, ainda que tímidos, o projeto passou a avançar. E porque ela estava se envolvendo cada vez mais com o projeto, novas ideias iam surgindo, foi buscando mais informações, se organizando, contando para sua rede de relacionamento. Semana passada apareceu a oportunidade de um recurso crucial para definir a viabilidade do seu negócio. Agora o projeto está avançando mais rápido do que ela mesma tinha planejado.

Em resumo, não temos 100% de controle sobre os nossos resultados mas é certo que somente quem planta pode colher.